21 de out de 2015

Resenha | A Escolhida



A EscolhidaA Escolhida
Amanda Ághata Costa | Independente
Ano de 2015 | 360 páginas
Em uma cidade repleta de pessoas desconhecidas, Ari poderia ser apenas mais uma garota dispersa na multidão, como tantas outras que foram abandonadas pelos pais desde a infância. Devido à sua aparente doçura e beleza, ninguém seria capaz de supor que, além de um anjo, ela também é um demônio com sede de poder. Os espertos deveriam manter-se distantes, mas há olhares que não deixam de admirá-la. Egran não desperdiçaria a chance de apoderar-se de habilidades tão interessantes: ela é a escolha perfeita. Entretanto, nem todos se sentem realizados. O círculo seria um refúgio ideal para os demais feiticeiros, se o próprio líder não os tratasse como marionetes descartáveis. Movidos pelo medo e controlados pelo mestre, os componentes do grupo obedecem, sem pestanejar, às ordens recebidas. Ao se ver arrastada para lá, Ari se encontra diante de situações improváveis, arriscando-se a expor mais do que gostaria. Para ela, sentir é algo que sempre esteve fora de seus limites. Não poderia vivenciar qualquer forma de emoção, esta era a promessa. Até que Luke surge em seu caminho e abala as estruturas congeladas, derretendo-as e modelando novos conceitos. O amor realmente fará brotar a alegria? Ou irá arrastá-la diretamente para a morte? O passado obscuro de Ari será o suficiente para fazê-la estilhaçar de uma vez por todas, não restando oportunidades para uma nova tentativa de se isolar do mundo.

Resenha


Ariali foi abandonada pelos pais quando ainda era um bebê, seria apenas mais uma criança abandonada se ela não fosse metade anjo e metade demônio. Ari desperta a curiosidade das pessoas por suas Asas, mas é temida por seu lado cruel. Depois de tanto sofrimento, ela se torna uma pessoa fria, seu lado demônio fala mais alto e sua sede por sangue passa a ser enorme.

Certo dia, Ari é interceptada por feiticeiros que devem levá-la até o Círculo, por Ordem de Egran. O líder dos feiticeiros precisa de Ariali para alguns serviços e em troca ela terá respostas sobre seu passado, seus pais e, mais importante, sobre quem ela é.

"Falar sobre a paz é totalmente embaraçoso, porque para alguns, ela se resume a um beijo ou um abraço. Olhar as estrelas, escutar as ondas quebrarem-se na encosta. Para Luke, uma simples caminhada até o jardim é capaz de resolver os seus temores. Já a minha paz sempre foi encontrada no último suspiro, no último olhar, nos últimos instantes da própria paz do outro. As nossas semelhanças são mínimas e, quando colocadas frente a frente, me fazem perceber o quanto não sirvo para estar entre eles.''

Ariali é uma grande incógnita no inicio do livro, pouco se sabe sobre ela já que nem mesmo a própria personagem sabe muito sobre seu passado. Tudo o que sabemos até o fim do livro é descoberto junto com a personagem e até que as descobertas comecem pensamos em Ari como alguém menosprezada, não apenas pelos outros, mas por ela mesma. Apesar disso e de sua aparência angelical, Ari está longe de precisar ser defendida como as mocinhas convencionais, seu lado mais sombrio garante que ela saiba não só se defender, como matar sem arrependimentos.

As respostas atravessadas e a frieza de Ari podem fazer dela uma personagem difícil de se gostar, mas quando ela é raptada e levada até o Círculo precisa aprender a conviver com os feiticeiros que vivem ali, é a partir desse momento que seus muros começam a cair e a personagem começa a se transformar em uma pessoa que o leitor pode gostar.

Luke é um fofo, provavelmente o queridinho das leitoras, é ele um dos responsáveis pelo sequestro de Ari e por ela chegar até o Círculo, é também aquele que sente uma forte ligação assim que conhece Ariali. Já Vincy, irmã de Luke, é espevitada e desbocada, aquela personagem personagem para os leitores acharem fofíssima. São Luke e Vincy os responsáveis por derrubar os murros que Ari construiu em volta de si, tijolo por tijolo.

A escritora soube trabalhar muito bem toda a história e criar personagens muito bons, principalmente Ari que precisa ser desconstruída para mudar durante a leitura, e conseguiu não entregar todos os acontecimentos de cara, ela nos entrega pouco do que vem pela frente, aumenta nossa curiosidade e faz a leitura ser interessante e o leitor não conseguir parar nem por um segundo.

Nesse primeiro livro vivemos a luta interna de Ariali entre o bem e o mal, descobrimos os segredos de seu passado e conhecemos um pouco sobre a história de seus pais, mas seu fim já nos da o gancho para o segundo livro e, é claro, nos deixa a curiosidade. Um livro para quem gosta de fantasia e uma história gostosa, talvez para um fim de semana. Seres mágicos, um certo mistério e uma escrita deliciosa.

Nota



É isso, espero que tenham gostado da resenha e que leiam o livro, depois comentem aqui o que acharam. Não esqueçam de acompanhar nossas redes sociais para saber tudo o que acontece por aqui, abraços e até logo!


Nos Acompanhe:
Instagram: @blogpagina394
E-mail: pag394@outlook.com

Um comentário:

  1. Estou com vontade de ler esse livro.
    Beijos <3

    http://mysecretworldbells.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Segue o Página 394

Twitter

Nosso instagram